Páscoa

          

A Festa da Páscoa é uma festa móvel, e é ela que determina o que vem antes e o que vem depois. A Páscoa acontece após o equinócio de 20 de março, no 1º domingo após a 1ª lua cheia dessa nova época do ano: outono aqui no hemisfério sul e primavera no hemisfério norte.

Por causa disso muitas pessoas acreditam ser a lua a regente da Páscoa, mas esse é um dos grandes mistérios dessa época que inaugura um novo tempo, onde não são mais forças lunares que regem os acontecimentos da vida humana e sim forças solares. O domingo, o dia do sol, o dia do Senhor, vem a ser o primeiro dia santo, inaugurando a semana de trabalho e realizações.

 Sai-se agora do espaço, ao passar da fixação espacial pelo posicionamento da lua, ao curso puramente temporal dos domingos dentro do ciclo anual.

 ACONTECIMENTOS DA SEMANA SANTA E OS 7 PASSOS DE AUTOCONHECIMENTO – exercício de reflexão:

A semana como unidade de tempo, tem relação com a tradição religiosa – já no Gênesis temos a descrição da criação do mundo em sete dias.

Os sete dias que compõem a semana recebem seus nomes dos sete planetas; arquétipos que regem a ordem do universo, sendo que das sete esferas dos planetas emanam forças espirituais que impulsionam o desenvolvimento humano.

A Semana Santa começa no domingo de Ramos e vai até o Sábado de Aleluia, sendo que, o Domingo da Ressurreição, denominado Domingo de Páscoa (do hebraico Pessach = passagem) é o primeiro dia da passagem para o Novo Sol que será a Terra vivificada pelo EU do Cristo.

1. Domingo de Ramos:

– Dia do antigo Sol – Centro, Eu, Humanização.

 ACONTECIMENTO: Chegada do Cristo em Jerusalém.

Entrar na cidade, em silêncio, montado num burrinho, tinha para Cristo, o sentido de deixar clara a transição da antiga exaltação visionária inconsciente, do entrar em êxtase, para a atitude receptiva, fruto da presença de espírito, do Sol interior na alma individual calma e vigorosa.

1º passo de reflexão- Humildade refletir sobre posições de liderança que ocupamos. Exercitar fraternidade, independente das posições hierárquicas, não esquecendo que somos todos iguais, irmãos.

2. Segunda-feira Santa:

-Dia da Lua – Repetição, Revitalização, Reflexo.

ACONTECIMENTO:Condenação da figueira e a expulsão dos vendilhões do Templo.

Cristo condena a árvore que representava a antiga forma de clarividência, para evidenciar que deveria cessar o antigo dom de qualidade lunar das visões de êxtase, ligada com as forças da natureza da noite, pois só era vivenciada em estado inconsciente. É fundamental que agora o ser humano trilhe o caminho da autoconsciência clara e explícita, que o levará à liberdade individual.

Cristo expulsa os vendedores, devolvendo ao Templo sua condição de lugar sagrado, e aos peregrinos devolve a consciência de que estão na casa de Deus.

2º passo de reflexão- Doação a figueira que só vale quando produz frutos. O que realizamos para os outros, sem esperar algo em troca; onde praticamos atitudes de amor, de doação do que temos, tendo consciência de onde estamos e o que estamos fazendo.

3. Terça-feira Santa:

-Dia de Marte – Luta, Autenticidade, Coragem.

ACONTECIMENTO – Questionamento no Templo e a reunião com os apóstolos no Monte das Oliveiras.

No Templo, Cristo é abordado com várias perguntas capciosas, às quais responde com parábolas, que vão revelando sua identidade espiritual. Ele mostra aos oponentes, quem realmente é e a que veio.Desenrola-se uma verdadeira luta de palavras e intenções, culminando com o “daí a César o que é de César e a Deus, o que é de Deus.”

 Mais tarde reunido com os apóstolos, mostra que a maior das lutas é a batalha travada no interior, entre o medo e a vontade de colocar o Eu no mundo.

3º passo de reflexão – Auto-avaliaçãocom coragem aproveitar para autoconhecimento fazendo-se perguntas sinceras, e não com perguntas que apenas justificam nossos desejos e vontades.

4. Quarta-feira Santa:

-Dia de Mercúrio – Fluidez, Devoção, Cura.

ACONTECIMENTO – As atitudes de Maria Madalena e Judas.

Ao entardecer reunido com seu círculo mais íntimo, Cristo teve seus pés ungidos com um óleo precioso por Maria Madalena, ato que gera algumas críticas por alguns e desencadeia a revolta que se acumulava na alma inquieta de Judas, que flui para o mundo, como revolta, como traição.

Maria Madalena interioriza as forças que antes a levavam para o mundano, transformando-as, e que agora fluem para o mundo como devoção.

4º passo de reflexão – Aceitaçãopor amor se sacrificar, aceitando e superando a dor dos fatos, sem tentar mudar os rumos para direcionar para aquilo que julgamos ser o certo.

5. Quinta-feira Santa:

-Dia de Júpiter – Sabedoria, Grandeza.

 ACONTECIMENTO – O Lava Pés e a Santa Ceia.

Antes da ceia, Cristo realiza o ato de amor humilde, singelo e cheio de sabedoria, que para sempre tocará o coração dos cristãos: o Lava Pés. Síntese de todos seus ensinamentos: ‘amai-vos uns aos outros’.

Na ceia, quando oferece o pão e o vinho como novo ato sacramental, Cristo cessa a reminiscência do sacrifício do sangue fresco do animal puro, que era um ato externo que ligava a alma humana com o mundo espiritual de forma inconsciente, em êxtase. Quando Se coloca como o novo cordeiro na forma da comunhão com o pão e do vinho, Ele traz a interiorização do Eu na alma humana, até o nível do sacrifício da entrega, da aceitação do destino.

5º passo de reflexão – Posicionar-seexercitar a confiança da transformação do erro, do que não serve mais; assumindo o EU SOU sem negar aquilo que se é.

6. Sexta-feira Santa:

-Dia de Vênus – Paixão, Amor Universal.

 ACONTECIMENTO: O beijo de Judas e a negação de Pedro. A Crucificação.

Na madrugada de quinta para sexta, Cristo ao ser identificado pelo beijo de Judas, é arrastado e preso. Pedro ao ser perguntado se era um deles, nega. Acordando-se para si só ao terceiro cantar do galo. Judas ao perceber o que estava acontecendo, enforca-se numa figueira.

 Às 15h, depois de Cristo ser ironizado, flagelado, coroado com espinhos, carrega sua cruz sobre as costas e é crucificado na colina de Gólgota. ‘No Cristo torna-se vida, a morte.’ Jerusalém escurece repentinamente na hora da morte, depois de Seu sangue escorrer e penetrar a terra. O terremoto no fim da tarde após o  a colocação do corpo no túmulo.

6º passo de reflexão – Entregamas com o estabelecimento do poder interno, impedindo que a morte física traga a morte espiritual, o EU NÃO SOU.

7. Sábado de Aleluia:

-Dia de Saturno – Profundidade, Consciência, Tempo.

ACONTECIMENTO: A Terra recebe o corpo e o sangue do Cristo.

No local entre o Gólgota e o Sepulcro, existia outrora uma fenda primária na superfície terrestre. Os terremotos da sexta-feira reabrem esta fenda e a terra inteira se torne então o túmulo do Cristo. O espírito do Cristo penetra na Terra criando nela um novo centro luminoso. Estamos diante do ponto de partida de um Novo Sol em formação.

7º passo de reflexão – Redenção desenvolver a esperança, reconhecer que agora cada um só tem a si, que depende de cada um. Silêncio e aguardar com confiança.

O drama do mistério da Semana Santa é uma unidade grandiosamente completa em si.  Acompanha-se de um mistério de composição que se nos desvenda à medida que desenvolvemos o sentido em relação ao valor das etapas na vida de Jesus. O que aconteceu nos sete dias pré-pascais é uma condensação de toda a vida do Cristo. As mesmas leis originais e as mesmas etapas reveladas na sagrada biografia dos três anos ressurgem dramaticamente resumidas diante de nossa visão. A partir da semana da Paixão podemos reconhecer nos três anos de vida do Cristo toda uma grande Paixão. A Entrada em Jerusalém é uma oitava do Batismo no Jordão. Completa-se a entrada do Cristo em nossa existência terrena. Recebe seu cunho definitivo o mistério da Encarnação que se iniciara três anos antes.

A Idéia da Páscoa precisa passar da condição de morte para a condição do que vive. O vivo se caracteriza por fazer germinar outra coisa viva a partir de si, e esse é o maior dos mistérios – o mistério do sangue e da morte, o mistério da vida.

 

Exercício de reflexão elaborado pela psicóloga Marisa Clausen Vieira pesquisando as seguintes fontes: .

 – Os Acontecimentos da Semana Santa – Emil Bock

– A Respiração da Terra e as Quatro Grandes Comemorações Anuais –  GA 223 – Rudolf Steiner

– Encarte da Artemisia –Época da Páscoa –Edna Anmdrade.

– Evangelho segundo João- Rudolf Steiner.

Published in: on 17/04/2011 at 7:30 p04  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://elianeutescher.com/2011/04/17/pascoa/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: